Desencaixe

Desencaixe

Mais um dia que se esvai.
E vai e escorre,
E o tempo mata e morre!

Brota de dentro
E embota o peito
Com calma consome,
Me mata e me morre

Sozinho, fulgura na mente
Fantasio e esqueço, que por ser inocente…

O que surge doce como mel
Desabrocha mordaz feito fel
Amargo gosto do descompasso
E do embaraço, audaz, que faz do meu peito
Sua morada de aluguel

Bruno Theodosio

 

O tempo escorre, rasteja, se arrasta…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s