Socialismo, Comunismo e Anarquismo…

Bom, basicamente, por volta dos ano de 1760 aconteceu a Revolução Industrial. Houve um grande acúmulo de capitais e uma grande oferta de mão de obra(decorrência dos cercamentos feitos nos campos provocando um êxodo para as cidades). A questão central é que as jornadas de trabalho eram exorbitantes e as regulamentações dos direitos dos trabalhadores não existiam. Crianças, mulheres, idosos, todos trabalhavam de forma desumana. De forma geral, formou-se uma dicotomia de classes: de um lado os detentores dos meios de produção e do outro, os que não tinham nada além da sua força de trabalhado para vender em troca de um salário; burguesia e proletariado, respectivamente.

De maneira inequívoca, os teóricos do socialismo sempre trouxeram reflexões sobre a justiça social e sobre uma sociedade mais justa, menos exploradora e mais humanizada. Podemos começar com o Socialismo Utópico ou Romântico. Era uma corrente ideológica que não rompia com o capitalismo. Pregavam a justiça social sem, no entanto, mostrar os caminhos para tal. Os três teóricos principais são: Simon, Fourier e Owen. Eles não rompiam com o capitalismo justamente por serem “seguidores” de Rousseau e, como é sabido, pensavam ser a sociedade que corrompe o homem – por isso achavam que se chegassem para conversar com o burguês propondo-lhe um modo de produção mais justo, ele aceitaria tranqüilamente. Foram propostas que não deram certo.

Porém, em 1848, Karl Marx juntamente com Friedrich Engels escreve o “Manifesto do Partido Comunista”. Dentro deste pequeno panfleto distribuído nas ruas de Paris em meio às Revoluções Liberais como a Primavera dos Povos, Marx trazia uma proposta de novo modo de vida. Basicamente, Marx estudou História, Filosofia e principalmente, Economia. Marx percebeu que a história do mundo girava em torno das lutas entre as classes para que uma se sobrepusesse à outra. Por exemplo: Servo x Sr. Feudal, Mestre de Ofício x Aprendiz, e nos tempos que Marx vivia, Burguês x Proletário. Isso, dentro de um panorama conjuntural, consiste o conceito de “Luta de Classes” visto através de uma visão histórica chamada de Materialismo Histórico. Ele olhou para a sociedade e viu um mundo injusto, explorado, e, de certa maneira, tentou observar os motivos. Chegou em algumas análises pontuais de que a propriedade privada, o Estado, a divisão em classes de uma sociedade eram os principais inimigos da justiça social. Para que o mundo pudesse ser mais justo, Marx propôs um sistema político-ideológico de modo de vida: o Comunismo.

O Comunismo consiste em uma fase(na visão pessoal de Marx) superior da evolução histórica do mundo, em que o capitalismo um dia será superado pelo Comunismo. Porém Marx estava inserido num contexto capitalista, e a implantação do Comunismo não poderia ser feita de uma hora para outra. Então ele criou a teoria Comunista baseada numa primeira etapa: o Socialismo; que é exatamente a transição da sociedade capitalista para a Comunista. Na etapa Socialista os meios de produção, então privados, seriam adquiridos pelo Estado e TODOS os trabalhadores trabalhariam e receberiam salários de acordo com suas demandas e necessidades. O momento Socialista terminaria com a exploração do homem pelo homem, afinal, de forma igualitária, os próprios trabalhadores seriam os donos dos meios de produção. É por isso que se diz que o Estado Socialista está nas mãos dos trabalhadores, afinal, trabalha em favor da classe trabalhadora (toda população). Essa etapa terminaria por fazer uma depuração na sociedade de forma que os valores éticos/morais estariam num patamar elevado. Quando a sociedade estivesse realmente pronta, a revolução triunfaria na extinção do Estado, das propriedades privadas (agora existiria a Propriedade Coletiva) e das Classes Sociais. Esse Socialismo proposto por Marx é o Socialismo Científico porque se baseia em premissas científicas das ciências humanas que são: a Luta de Classes, a teoria da Mais-Valia, o Materialismo Histórico, a Dialética e outras ferramentas de análise científica da sociedade.

Já o Anarquismo ele quer uma sociedade sem classes, sem Estado e sem propriedade privada. PERA AÍ! Isso não é Comunismo???? Não! O anarquista pressupõe que a passagem do capitalismo para essa sociedade ideal, a anarquista, seja feita de forma abrupta. O anarquista não quer a etapa Socialista que o Comunista prega. O anarquista pensa numa superação do capitalismo de forma direta, sem etapa nenhuma.

Muito por cima e sem entrar em grau de detalhamento nenhum, aí estão depositados os principais conceitos do que é o Socialismo Utópico, Científico, Comunismo e Anarquismo.

Vou mostrar uma foto que talvez ilustre. Aonde estiver escrito idealismo é a transição anarquista…

Bruno Miller Theodosio

Anúncios

14 respostas em “Socialismo, Comunismo e Anarquismo…

  1. Otimo texto! Bem resumido e de forma simples. Abordo aqui o final, explicando a possivel transiçao que o Anarquismo pressupoe. Exatamente isso, chegar ao ‘comunismo puro’ sem a instrumentalizaçao do estado na forma socialista, como representado no esboço da foto.

    Abraços Libertários!

  2. Pingback: Os números de 2010 « Panela de pressão das idéias

  3. zeitgeist 1,2 e 3, o documentário….nos dá uma saída para esse capitalismo liberal decadente dos dias de hj…algo como o anarquismo moderno…onde a ciência e a tecnologia são os principais meios e mào-de-obra de uma nova civilização sem estado mas com uma população culturalmente avançada e pronta para tal sistema funcionar de forma harmoniosa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s